25.11.2021

NGK dá dicas para revisão da bobina de ignição

Peça deve ser verificada junto com as velas a cada 10 mil quilômetros, anualmente ou conforme orientação da montadora

São Paulo, novembro de 2021 – Responsável por transformar a tensão da bateria – que geralmente varia entre 12 e 14 volts – em alta tensão, a bobina de ignição é um componente fundamental para o funcionamento do motor. Isso porque a corrente elétrica é conduzida pelos cabos de ignição ou diretamente pelas bobinas até as velas e transformada em uma centelha elétrica, que dá início à reação de queima da mistura ar/combustível.

De acordo com a NGK – multinacional japonesa fabricante e especialista em velas, bobinas e cabos de ignição –, o componente de alta tecnologia pode ter a vida abreviada pela falta de manutenção do sistema. “Velas desgastadas são a principal causa de falhas nas bobinas, porque exigem maior tensão para gerar a centelha, o que provoca uma sobrecarga em todo o sistema de ignição, inclusive nas bobinas e nos cabos”, explica Hiromori Mori, consultor de Assistência Técnica da NGK do Brasil.

Nos veículos antigos, o principal problema de ignição era gerado pela carbonização das velas, que provocava falhas, dificuldade de partida e aumento de consumo. Com a evolução dos sistemas de injeção de combustível, as velas não carbonizam com tanta facilidade. “Assim, o motor funciona com as velas desgastadas, o que eleva a tensão de centelhamento até a ocorrência de danos nas bobinas. Por esse motivo, é importante realizar a manutenção periódica do sistema de ignição”, orienta Mori.

O especialista da NGK explica que as bobinas precisam ser checadas em toda revisão das velas, que deve ser realizada a cada 10 mil quilômetros, anualmente ou conforme orientação da montadora para garantir o bom funcionamento do motor. “Sempre que realizar a inspeção das velas, o motorista deve checar também as condições dos cabos e das bobinas de ignição para garantir que todo o sistema está trabalhando de forma adequada”, enfatiza.

A revisão das bobinas deve ser realizada em duas etapas. Na primeira, é feita uma checagem visual para detectar trincas e rachaduras no corpo da peça e oxidações nas torres de alta tensão e nos terminais. Já na segunda etapa é realizada uma medição da resistência do circuito primário e secundário da bobina, da tensão de alimentação, corrente de alimentação, sinal de comando e sinal de resposta. “Bobinas que têm o módulo de ignição integrado não realizam o teste de resistência”, aponta.

Outro fator importante a ser observado é a temperatura de trabalho do motor, uma vez que muitas bobinas são instaladas nele. “Quando a temperatura de trabalho na região das bobinas é muito alta, ocorre uma degradação da resina de isolamento elétrico das bobinas, o que também pode provocar danos à peça, portanto é fundamental observar o sistema de arrefecimento, responsável pela refrigeração do motor, identificar se há falta de defletores de calor (chapas de metal que têm a função de deflexão do calor) e checar se há obstrução no sistema de escapamento”, explica Hiromori Mori.

< Voltar
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Para mais informações sobre quais tipos de cookies você pode encontrar nesse site, acesse “Definições de cookies”. Ao clicar em “Aceitar todos os cookies”, você aceita o uso dos cookies desse site
Definições de cookies